Registre-se agora
 
X

Briga.

2651 dias atrás por Leila País de Miranda   Comentários (0)

, ,

Um amigo meu me mandou esta notícia: "Briga entre alunos de Linhares, no ES, é filmada e vai para a Internet".

Li, assisti o vídeo e senti vontade de comentar. Então, lá vai.

A pior violência aí para mim é o interesse em transformar criança em presidiário.

Os muros e as grades são o primeiro sinal de descaso com quem vive dentro e fora dos muros, nesta escola visualmente, pelo menos, totalmente dissociada da vizinhança.

Outro ponto: brigar é normal, comum e num certo nível é treino pra caça, coisa ancestral, tem que ter espaço, porque acontece. E para deixar de acontecer é trabalho ao longo do tempo. 

Sobre esta briga em particular, eu não estava lá, não conheço a situação, mas achei a análise apresentada pelo jornal muito fraca: "ocorreu no pátio da escola", "nenhum funcionário tentou impedir", "um dos estudantes será transferido, de acordo com a escola". Só falaram em punição e retratação, mas o caso é mais complexo: é sabido que os meninos brigaram duas vezes e que "as famílias dos estudantes e a escola disseram que não sabem o motivo das agressões". Então, tem que procurar saber. 

E se eles já haviam brigado uma vez antes, é porque já estão pelo menos há algum tempo frequentando esta escola. Os adultos de lá sabem o que os motiva na vida? A eles e aos meninos?  É o básico: do que gostam, o que escolhem, o que já sabem e como se relacionam? E isto, não para controlar, mas para interagir, para melhorar antes de mais nada, a si próprios. 

Bom, são perguntas que dá para responder quando se trabalha com criança e principalmente consigo mesmo, mas sobre este caso em particular quem sabe ou não sabe e devia saber é o pessoal lá de Linhares.

Daqui de longe, parece ter sido uma briga boba, palhaçada deles, falta de juízo. E me parece que não incomodou a mais ninguém. Eu sou a favor de ambiente sossegado, mas o que eu vi ali não é motivo para escândalo, é motivo para atenção, conversa e trabalho, de coração. Educação é continuidade.